As Doulas e a arte de servir

Por Júlia de Souza Fonseca

Graduanda em Jornalismo na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Doula


As doulas e educadoras perinatais auxiliam a mulher em seu preparo para o parto | Banco de Imagens

Você sabe o que é uma Doula? A palavra Doula vem do grego e significa “mulher que serve”, visto que nos tempos antigos as mulheres se ajudavam durante o processo de gestar, parir e cuidar de um bebê. Atualmente, a Doula trabalha como uma profissional capacitada para amparar e assistir a mãe durante o pré-parto, parto e pós parto. Essas mulheres atuam na educação da gestante, acerca de temas que envolvem o universo da humanização do parto.

Mas o que é a humanização? Ao contrário do que se pensa, a humanização não é sobre partos ‘glamourizados’ e elitizados, com inúmeros recursos para que ele aconteça, e que são realizados em banheiras, ou com uma grande cenografia (que pode beirar a de um espetáculo). A humanização consiste em respeitar a anatomia, fisiologia e emoções durante o parto; é oferecer uma assistência adequada, dispor autonomia, acolhimento, segurança e liberdade para a mãe. Ela consiste em aceitar e honrar os processos e, principalmente, o protagonismo da mulher e do bebê em um momento que é exclusivamente deles. Isso permite que a gestante se sinta confiante, segura e amparada para parir. E os pilares da humanização são, basicamente, práticas médicas baseadas em evidências científicas. Essa é, ou deveria ser, uma política pública transversal do Sistema Único de Saúde (SUS).

As doulas e educadoras perinatais têm um papel importante aí, que é o de auxiliar a mulher em seu preparo para o parto, para que ela possa tomar as melhores decisões para si e o bebê naquele momento. Elas não são profissionais da área obstétrica e, portanto, não podem realizar condutas médicas ao longo dos processos de gestar e parir, estando ali para ajudar a mulher a estudar as atualizações e temas relevantes para a gestação e parto e se preparar para aquele momento, para incentivar a mulher a acreditar em si mesma e a lidar com a dor do trabalho departo.

A Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde recomendam e reconhecem a importância da presença da Doula durante o gestar e parir, essas profissionais são citadas nas Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal e seu acompanhamento é indicado por trabalhadores da área da obstetrícia que atuam seguindo evidências científicas atualizadas.

As doulas estão ali para a mulher, atendendo às suas demandas por afeto, apoio e encorajamento, amparando-a em um momento de vulnerabilidade e entrega intensa. A sua presença resgata uma prática milenar, que é a de assistir e oferecer esteio à parturiente. Existem pesquisas científicas atualizadas comprovando que a presença da doula pode ser uma ferramenta para a redução de intervenções desnecessárias no parto, um agente que coopera para minimizar a violência obstétrica e também um fator que contribui para a saúde psicológica, afetiva e emocional da mãe e seus vínculos com o bebê.

Essas acompanhantes fazem uso de diversas técnicas não farmacológicas para auxiliar a mulher no manejo da dor, que é um processo natural do parto e não deveria ser vista como um sofrimento, já que ela é um sinal positivo de que o trabalho de parto está fluindo e que poderá chegar ao melhor destino possível: o bebê nos braços da mãe.

Cada Doula têm os seus métodos e algumas se especializam em diferentes áreas para oferecer determinados serviços à mulher, mas o objetivo é sempre o mesmo: a humanização do atendimento e a busca pelo parir de forma mais natural possível. Dentre os métodos mais usuais de manejo da dor, alguns são bem conhecidos: uso de aromaterapia, fitoterapia, massagens, auxílio na mudança de posições, incentivo à respiração, cromoterapia, escalda-pés, banhos de ervas… as aplicações vão de acordo com o perfil da mãe e da própria profissional que a acompanha. É importante pontuar que a Doula não está ali para anular a dor, mas sim para ajudar a mulher a passar por ela e atravessar as barreiras e possíveis obstáculos ao parto natural e, caso seja indicada uma cesárea, apoiar a mulher nos preparativos para a cirurgia e no pós-cirúrgico. O que a Doula faz? Dialoga com a gestante sobre o que esperar de um trabalho de parto e da maternidade em geral; Incentiva e auxilia a mãe na busca por informações pautadas em evidências científicas para o preparo para o parto; Auxilia na construção de um plano de parto; Oferece suporte emocional e físico à parturiente, antes durante e após o parto; Auxilia na troca de posições que favoreçam o trabalho de parto e o conforto da parturiente; Facilita e promove a manutenção de um espaço adequado às necessidades da mulher por um ambiente acolhedor, privado e tranquilo; Auxilia no manejo da dor e desconforto por meio de técnicas não farmacológicas (massagens, respiração, banho, etc.); Pode, se necessário, oferecer apoio para os demais membros da família durante o trabalho de parto; Pode atuar no pós parto, auxiliando a mãe com a amamentação; Pode ser uma ponte de comunicação entre a gestante e a equipe de atendimento, família ou amigos; O que a doula não faz? A doula não realiza nenhum tipo de procedimento médico ou clínico (como toque vaginal, aferição de pressão arterial, administração de medicamentos, verificação de batimentos cardíacos fetais, etc.); A doula não questiona as decisões, apontamentos ou procedimentos feitos pela equipe; A doula não substitui quaisquer dos profissionais da saúde envolvidos na assistência ao parto; A doula não substitui o acompanhante da gestante (a menos que ela deseje); A doula não toma decisões pela parturiente. O papel da Doula está no processo de gestar, parir e auxiliar a mãe nos primeiros cuidados com o bebê. Em alguns estados a presença da Doula é garantida por lei, em Minas Gerais alguns municípios têm leis municipais para legitimar e estruturar a presença dessas em ambiente hospitalar - isso em função da já comprovada relevância das doulas para a gestante. Contudo, apesar de envolver o servir e ser uma profissão que abarca o afeto, as doulas são profissionais que estudam e se atualizam muito para oferecer um apoio completo para a gestante. Para ser uma doula, é necessário passar por uma formação que vai oferecer o certificado às profissionais que decidirem seguir este caminho. Além disso, muitas delas se qualificam em outras áreas e estão constantemente fazendo investimentos em sua formação, isso representa uma valorização no trabalho, que é remunerado em valores definidos individualmente, de acordo com sua capacitação.


A doula é, costumeiramente, a primeira a chegar para oferecer apoio à mulher durante o trabalho de parto e, como consequência, pode ser a última a sair do ambiente após concluídos os processos. Seu ofício envolve dedicação, mas não deve ser romantizado e sub-remunerado por envolver subjetividades… doulas pagam contas, doulas têm filhos, famílias e responsabilidades. É um trabalho como quaisquer outros e, portanto, a gestante que tiver interesse em receber sua assistência deve também estar disposta a negociar e a arcar com os custos desse acompanhamento personalizado.


Onde encontrar uma doula?


Em Mariana e Ouro Preto, existem diversas doulas em ação! Para encontrá-las você pode buscar nas redes sociais, em grupos de apoio à gestante ou até mesmo pedir uma indicação aos profissionais da saúde responsáveis pelo seu atendimento.


Se você está gestante e está pronta para assumir o protagonismo de sua gestação e parto junto à sua família, a doula pode ser um amparo neste processo. Afinal ser doula é acolher. Ser doula é apaziguar. Ser doula é estudar e trabalhar muito. Ser doula é acariciar, abraçar, segurar as mãos e olhar nos olhos, massagear... Ser doula é lutar contra um sistema criado para patologizar e intervir contra processos que podem ser naturais e, sobretudo, leves. Ser doula é trabalhar pela emancipação do feminino em diversas formas e corpos, transcendendo as fronteiras de gênero e sexualidade. Ser doula é ser força. Ser doula é estar pronta para o inusitado. Ser doula é ser silêncio, quietude e contemplação. Ser doula é amar, e ter uma doula é ser amada.

Criado a partir do desejo de colocar em prática um fazer jornalístico verdadeiro, o Ângulo é um portal de notícias focado na região de Mariana, Ouro Preto e Itabirito. A história do veículo de comunicação se mescla com os anseios e missões de sua fundadora, que busca trazer novos ares para a mídia na cidade.

Aqui a missão é ser referência em notícia e se mostrar como um portal moderno, com visões amplas dos mais diversos lados das histórias e sujeitos.

  • Branca Ícone Instagram

© 2020 por Mariana Viana