Mariana ultrapassa 3 mil casos de coronavírus

De acordo com a Secretaria de Saúde, em janeiro, Mariana poderá registrar um aumento de casos por causa das festas de final de ano


Na última semana, o município registrou 144 novos casos de pessoas que testaram positivo | Banco de Imagens

Nesta segunda-feira, 21, Mariana chegou aos 3052 mil casos de coronavírus, sendo 24 óbitos. Somente na última semana, o município registrou 144 novos casos de pessoas que testaram positivo. Entre as cidades da microrregião, Mariana aparece em segundo lugar, tanto no número de contaminados, quanto de óbitos.


De acordo com o médico e diretor clínico da Policlínica Central, Pedro Aldebert Marques, o descuidado dos marianenses pode ser considerado como um dos motivos para justificar esse aumento. “Temos visto nos últimos dias um substancial relaxamento da população em relação às medidas de isolamento social. Vemos bares lotados, churrascos, festas e outras aglomerações. Atendendo na linha de frente, percebo que muitas pessoas consideram, tacitamente, a Covid-19 como uma doença do outro, do idoso, do obeso, de quem não tem histórico de atleta, etc. Esse comportamento acaba reforçando o afrouxamento do cuidado”, destacou.



“Tem muita gente programando festas e viagens para o final de ano. Acreditamos que teremos um agravamento de diagnóstico no início do ano e estamos bastante preocupados com a situação que Mariana poderá enfrentar”.


Pedro também destacou que o número de contaminados pode aumentar, consideravelmente, neste ano. “Pensando no tempo médio de incubação da doença, o quadro que vemos hoje se correlaciona ao comportamento de 7, 14 dias atrás. Com essa linha de raciocínio, caso a população não adote uma postura mais sóbria em relação às medidas de isolamento nas festas de fim de ano, podemos, sim, esperar aumento no número de casos”, disse.


LEITOS DE UTI - Segundo a última nota divulgada pelo Hospital Santa Casa da Misericórdia, de Ouro Preto, na sexta-feira, 18, a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) chegou a 90%. No momento, há 4 leitos ocupados por pacientes de Mariana, 3 de Ouro Preto, 1 de Itabirito e 1 de outra cidade não mencionada.


O hospital é referência para os atendimentos na microrregião de Ouro Preto, através do programa Rede Resposta, e conta com 10 leitos à disposição das três cidades. Em julho, a prefeitura de Mariana assinou um contrato com o hospital para garantir mais 3 leitos para atender as cidades, entretanto, ele se encerrou no mês de outubro.


Segundo o secretário de Saúde, Danilo Brito, os municípios da microrregião teriam o interesse de firmar um novo contrato, mas a Santa Casa afirmou não ter mão de obra para realizar os atendimentos. “Existe um conselho dos três secretários. Na última quinta-feira, fizemos uma reunião com o hospital com o intuito de aumentar os leitos de UTI, de 10 para 13, e os leitos de isolamento, de 10 para 16. Entretanto, eles alegaram falta de RH”, explicou.


HOSPITAL SEM VAGAS - De acordo com Danilo Brito, não há vagas de internação no Hospital Monsenhor Horta. “A enfermaria e a UCI semi-intensiva estão sem vagas. Inclusive, tem pacientes que estão internados na área da pediatria”, disse.


Para amenizar a situação, a prefeitura de Mariana alterou o horário de funcionamento da policlínica central para 24h. “Em poucos dias de atendimento e já temos quatro pessoas internadas com Covid-19, na policlínica”, destacou.


O aumento de casos preocupa o secretário, que acredita que, em janeiro de 2021, Mariana terá um número bem maior de contaminados. “Tem muita gente programando festas e viagens para o final de ano. Acreditamos que teremos um agravamento de diagnóstico no início do ano e estamos bastante preocupados com a situação que Mariana poderá enfrentar”, afirmou.


MEDIDAS DE SEGURANÇA - Para evitar a propagação do coronavírus, o Comitê Gestor do Plano de Prevenção e Contingenciamento em Saúde Covid-19, estabeleceu, recentemente, novas regras na cidade, como a suspensão da programação do Natal de Luz, eventos esportivos, confraternizações, festas de aniversários e casamentos e música ao vivo.


Além dessas, o Comitê havia estabelecido, desde a última quinta-feira, 17, o rodízio de CPF para compra e acesso aos grandes supermercados. Essa medida, segundo Danilo, poderá ser alterada após a concessão de uma liberação para um dos estabelecimentos. “Ao tomar conhecimento de que um supermercado não seguia a determinação, pedi a Vigilância Sanitária e a Guarda para fazer uma ocorrência no local e apresentaram à eles um mandado de segurança. A Secretaria de Saúde e a Procuradoria não foram notificadas. Com essa situação, possivelmente vamos suspender essa determinação, pois os demais estabelecimentos devem ser tratados da mesma maneira”, destacou.