Minas Gerais pode ter variantes inéditas do coronavírus

Uma das hipóteses é que a P4 já tenha chegado ao sul do estado


A pesquisa está sendo feita pela UFMG, Secretaria de Estado de Saúde e da Fundação Ezequiel Dias | Divulgação


Minas não registra variantes Delta (indiana) e Beta (da África do Sul) até o momento, mas a possível presença de cepas inéditas do novo coronavírus preocupa. Nas próximas duas semanas, pesquisadores da UFMG, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde e da Fundação Ezequiel Dias, devem divulgar a conclusão de um estudo que mapeia as variantes no estado. A pesquisa analisou 1.200 amostras entre março e abril e identificou 98% das cepas em circulação em Minas. No entanto, os 2% restantes ainda não foram identificados.


Segundo um dos pesquisadores, o professor de genética Renan Pedra, essas variantes podem ser inéditas ou cepas antigas, disseminadas no início da pandemia. Uma das hipóteses é que algumas regiões, como Alfenas, no sul do estado, já podem ter a presença da P.4, uma das últimas identificadas no país. A mutação foi encontrada no interior de São Paulo no fim de maio e é derivada da mesma linhagem da cepa Gama, originada em Manaus. "Esses 2% das amostras que não conseguimos identificar pode ser de alguém que foi para o México e voltou com alguma variante, pode ser uma variante já conhecida, que não temos muitos problemas mais. Pode ser qualquer coisa, de algo novo no Brasil ou alguma variante nova em Minas. Já fizemos o sequenciamento e estamos processando as informações. No caso de Alfenas, a cidade faz fronteira com São Paulo, então pode ser a P.4, que é uma cepa que está crescendo e não temos muitas informações", explicou o especialista.



** continua depois da publicidade **



De acordo com o professor, nas unidades regionais de saúde de Patos de Minas e Uberlândia todas as amostras analisadas no estudo eram provenientes da variante Gama. Em contrapartida, no noroeste do estado, especialmente nas unidades de Teófilo Otoni e Pedra Azul, a maior parte dos casos está relacionado à incidência da variante Zeta e Alfa. "Com esse estudo vimos a heterogeneidade de cepas no Estado. O que percebemos é que temos locais que a P.1 (Manaus) ainda não chegou, mas certamente vai chegar. Isso significa que à medida que conseguimos mapear as variantes é possível se preparar e fortalecer o sistema de saúde", avalia o professor.


Renan também descartou a possibilidade da variante Beta, identificada na África do Sul, estar no estado. “Identificamos até então apenas três variantes em Minas, a de Manaus, a do Rio de Janeiro e a britânica. O que temos visto é que as coisas têm mudado rápido, o medo é desses 2% já terem se transformado em 10%, porque do tempo que as amostras foram coletadas até agora muita coisa pode ter mudado. A questão não é o medo do novo, mas como o que é raro pode se transformar”, diz o pesquisador.




** continua depois da publicidade **



Na última terça-feira, 15, o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, já havia informado que Minas não havia registrado transmissão da Delta, após um morador de Juiz de Fora, na Zona da Mata, ter tido a versão, originária da Índia, no fim de maio. Atualmente, a maioria dos casos no Estado (74,15%) são provenientes da variação de Manaus. Já a Alfa, originada no Reino Unido, está em 10,5% do estado, enquanto 13,1% das cepas são provenientes da Zeta, do Rio de Janeiro.