• Eliene

Polícia Federal indicia sete pessoas por fabricação e falsificação de suplementos

Ao todo, foram indiciadas sete pessoas por crimes contra a propriedade da marca, falsificação de produto alimentício, venda de mercadoria contrabandeada e associação criminosa


Produtos apreendidos | Divulgação

A Polícia Federal (PF) concluiu o inquérito da operação “Ergo Gennan”, que apurou o comércio de suplementos falsificados e adulterados. Ao todo, foram indiciadas sete pessoas no Sul de Minas por crimes contra a propriedade da marca, falsificação de produto alimentício, venda de mercadoria contrabandeada e associação criminosa. As penas máximas, somadas, chegam a 20 anos de prisão.




** continua depois da publicidade **


De acordo com a Polícia, foram periciados 163 produtos de inúmeras marcas. Durante as investigações, foram constatadas a adulteração de cinco tipos de produtos. Outros 14 suplementos não possuíam autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a comercialização no país e 13 marcas não obedeciam às normas para a venda no Brasil. Sete produtos tiveram laudos inconclusivos.

APF também informou que ao longo da operação, em 2019, foi apreendida uma grande quantidade de suplementos alimentares, dietéticos, produtos terapêuticos, medicamentos fitoterápicos, produtos fracionados, embalagens e recipientes usados na fabricação ilegal.




** continua depois da publicidade **


O inquérito relatado será encaminhado ao Poder Judiciário.