top of page
Design sem nome (1).jpg

Mariana anuncia retorno das aulas presenciais para setembro

Atualizado: 18 de ago. de 2021

O retorno das atividades será facultativo, ou seja, os responsáveis pelo aluno terão o direito de escolher entre o ensino presencial ou online


A previsão é de que o retorno aconteça para os alunos da educação infantil e CMEI's | Banco de Imagens

Após publicar um decreto, no dia 9 de julho, mantendo a suspensão das aulas presenciais em Mariana, o prefeito interino, Juliano Duarte, decretou, na tarde dessa terça-feira, 2, o retorno das atividades escolares, tanto no setor público quanto privado, a partir do dia 1° de setembro. De acordo com o Decreto N° 10.600, as aulas voltarão em regime híbrido, ou seja, presenciais e remotas, de forma escalonada e gradativa. Além disso, o retorno será facultativo, para que os responsáveis pelos alunos tenham a opção de decidir.


Segundo a última nota divulgada pela assessoria de imprensa da prefeitura, no dia 23 de julho, a previsão é de que o retorno oconteça para os alunos da educação infantil e dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI's). Na 1ª quinzena de outubro, os anos iniciais do 1º ao 3º ano e, na 2ª quinzena, 4º e 5º ano. Já para o ensino fundamental dos anos finais, ainda está sendo avaliado e não há uma data prevista.




** continua depois da publicidade **



Para que a escola esteja apta a iniciar as atividades, elas terão que construir o planejamento estratégico de retomada das atividades presenciais, tendo como referência uma lista de tarefas elaboradas pela prefeitura. O documento deverá ser preenchido, assinado pela direção da escola e protocolado no setor de Documentação e Arquivo do município até o dia 20 de setembro para análise do Comitê Gestor do Plano de Prevenção e Contingenciamento em Saúde da Covid-19.


Além do planejamento estratégico, as escolas deverão apresentar o seu Plano de Ação que deverá conter, de forma detalhada, todas as medidas sanitárias implantadas e aplicáveis na instituição, seguindo todas as diretrizes estabelecidas no Protocolo Municipal de Retorno às atividades Presenciais nas Unidades de Ensino.


OPINIÃO DE ESPECIALISTA - Para alguns especialistas, como o pneumologista, intensivista e diretor geral do Sindicato de Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), Maurício Meireles Goes, o retorno das aulas presenciais é válido desde que as escolas estejam preparadas para isso. “Entendemos que este é o momento para voltar com as aulas, porém, com os cuidados recomendados. Nos países em que as aulas voltaram, por exemplo, esse não foi um fator que contribuiu para o aumento do número de casos de Covid-19 e nem foi necessário fechar as escolas em função dos novos casos. As crianças estão precisando disso. Muitas estão desenvolvendo doenças psiquiátricas e psicológicas por causa do isolamento. Se as escolas estiverem preparadas, é possível retornar de maneira segura”, disse Maurício.




** continua depois da publicidade **



O pneumologista também destacou algumas medidas de segurança que podem contribuir para um retorno seguro. “Os cuidados, como a redução do número de alunos por sala, diferentes horários de entrada e saída, distanciamento entre as carteiras e aferição de temperatura, são procedimentos que ajudarão a garantir a segurança de todos . Além disso, é importante que as escolas trabalhem com ações educativas, reforcem as medidas de higiene e orientem pais e alunos”, explicou.


OPINIÃO DIVIDIDA - Após a publicação do Decreto, a prefeitura de Mariana fez uma postagem, em suas mídias sociais, anunciando a volta das aulas presenciais. A publicação rendeu comentários de pessoas, principalmente de pais, que são a favor do retorno, bem como daqueles que são contra.


“Finalmente. Sou totalmente a favor do retorno imediato das aulas presenciais. Todos os estudos mostram que o contágio em crianças que retornaram às aulas presenciais é menor que 0,1%. São dados da Folha de São Paulo”.

“Não vejo sentido por dois motivos: o óbvio, questão de que crianças pegam e transmitem Covid-19. Além disso, em especial na rede infantil, qual o impacto psicológico nas crianças que, depois de um ano sozinhas, voltam ao ciclo de amigos, mas devem se manter distantes, sem brincar, se divertir, dividir o lanche, emprestar suas coisas pros coleguinhas? O que mais criança gosta é de dividir e socializar, coisa que não poderão fazer. Minha filha não vai”.




** continua depois da publicidade **




“Graças a Deus! A educação dos nossos filhos agradece”.

“As famílias dos professores também terão "direito de escolha"? Porque o professor pode estar vacinado, mas e os demais familiares? No documento determinando a volta imediata das aulas, o Estado, e por conseguinte, o município e as escolas, se exime de qualquer responsabilidade caso um aluno venha a ser infectado e, inclusive, venha a óbito, visto que "as famílias têm direito de escolha". Ou seja, se seu filho morrer, o problema é seu que quis mandar ele pra escola. Ok?! E os professores? E se vier alguém aqui falar que professor não quer "voltar" a trabalhar (como se alguém tivesse parado de trabalhar), convido a participar de um dia de aula remota comigo - gravando vídeo-aulas, criando e postando material, corrigindo atividade pelo computador, atendendo pais pelo WhatsApp, participando de reuniões até na hora do almoço, entre outras mil coisas que estamos fazendo há um ano e meio”.

“Pessoal que é contra, assim como eu, temos a escolha de mandar ou não! Eu não mandarei e continuaremos de forma remota. Aqui em casa ninguém vacinou até hoje. Tem mais de ano que não saio de casa. Não vai ser agora que iremos arriscar”.

Comments


bottom of page