top of page
  • Eliene

Moradores do bairro Cabanas cobram reforma da UBS desde julho do ano passado

A Unidade de Saúde está com o telhado coberto por lonas e com serviços suspensos



Parte do telhado da UBS está coberta por lona desde as fortes chuvas de janeiro | Portal Ângulo

Inconformados com a situação da UBS (Unidade Básica de Saúde) do bairro Cabanas, os moradores têm utilizado as redes sociais para cobrar do município a realização das obras, principalmente no telhado. A unidade está com o teto coberto por lonas por causa de uma infiltração, provocada pelas chuvas de janeiro deste ano. Entretanto, a cobrança por uma intervenção no telhado, foi feita em julho do ano passado.



"Quando iniciaram a construção do campo e a revitalização da Praça, que é ao lado da unidade, podiam ter resolvido isso. Acredito que saúde é tão importante quanto a prática esportiva e o lazer. Sem falar, que esperamos por essa obra há muito tempo".


Entramos em contato com o presidente da Associação de Moradores do bairro Cabanas, Roberto de Lima, que nos afirmou que, desde quando comunidade solicitou a reforma, a prefeitura garantiu que realizaria as obras. “Fizemos fotos e apresentamos o problema. Representantes da prefeitura até nos apresentou um projeto do que seria feito. Fizeram algumas intervenções, só que o telhado continua a mesma coisa. Quem sofre com tudo isso, somos nós, moradores, pois dependemos dos serviços”, explicou o presidente, lamentando o fato de não terem incluído as reformas na UBS no pacote de obras realizadas pelo programa Mãos Solidárias. “Quando iniciaram a construção do campo e a revitalização da Praça, que é ao lado da unidade, podiam ter resolvido isso. Acredito que saúde é tão importante quanto a prática esportiva e o lazer. Sem falar, que esperamos por essa obra há muito tempo”, disse.


Segundo a Secretaria de Obras e Gestão Urbana, as intervenções seriam realizadas em março deste ano, no final do período de chuvas, porém, a pandemia da Covid-19 afetou o cronograma da pasta. A Secretaria afirmou que a ordem de serviço já foi assinada e que a expectativa é de que as reformas comecem em até duas semanas, com previsão para terminar em quatro meses. O investimento ficará em torno de R$ 700 mil.


Roberto também relatou que parte da unidade de saúde foi interditada, o que fez com que alguns serviços fossem transferidos para a Policlínica Central, prejudicando os moradores. “A farmácia, por exemplo, não funciona. Se precisar de remédio, tem que ir até o centro. Acredito que isso é ruim, principalmente neste momento de pandemia. Imagina quantas pessoas de outros bairros não utilizam os serviços da Policlínica Central, que agora atende, em parte, moradores da Cidade Alta”, ressaltou.


bottom of page