teste.jpg

Alunos da rede estadual de Minas Gerais retornam às aulas presenciais no dia 21 de junho

Profissionais da educação voltam aos trabalhos presencialmente uma semana antes, segundo a Secretaria de Estado de Educação



As aulas presenciais estavam suspensas desde o início da pandemia | Divulgação


Após a decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJGM), que autoriza o retorno das aulas presenciais no Estado, a Secretaria de Estado de Educação (SEE) comunicou que a volta dos estudantes às salas está marcada para o dia 21 de junho. Já os profissionais da educação devem comparecer às instituições de ensino uma semana antes, no dia 14.

De acordo com a Secretaria de Estado de Educação, o retorno às atividades presenciais é opcional. Os pais que preferirem podem manter seus filhos no ensino remoto. "A volta será gradual, começando com as turmas de 1º ao 5º ano do ensino fundamental", informou a Secretaria em nota.



** continua depois da publicidade **

As aulas presenciais na rede estadual ocorrerão nas cidades que estiverem na onda verde ou amarela do programa Minas Consciente e depende ainda da autorização de cada prefeitura.

O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE) afirmou que vai recorrer da decisão do TJGM e que vai fiscalizar a convocação de profissionais ao trabalho presencial. "A categoria deverá estar atenta a todos os atos de convocação para o trabalhado presencial e ao cumprimento das medidas de segurança necessárias, denunciando as irregularidades eventualmente encontradas nas unidades escolares", disse o Sindicato.

DECISÃO - O Tribunal de Justiça de Minas Gerais decidiu pelo retorno das aulas presenciais na rede estadual, em uma audiência realizada nessa quarta-feira , 10. Os desembargadores votaram em unanimidade contra o mandado de segurança, impetrado pelo Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sindi-UTE), que impediu o retorno presencial às aulas na rede estadual.




** continua depois da publicidade **

O Sindicato disse estar perplexo com a decisão. "Estamos em mais um momento de agravamento da crise sanitária em nosso estado, com o constante crescimento do número de casos em toda Minas Gerais, inclusive com a chegada de novas cepas da doença, o que ensejaria na necessidade de manutenção da medida e não o contrário, conforme foi decidido", diz o Sindi-UTE em comunicado publicado em seu site oficial.

O governo do Estado havia anunciado a volta às aulas presenciais em outubro do ano passado nas regiões que estavam nas ondas verde e amarela do programa Minas Consciente. Porém, a questão foi judicializada, e o desembargador Bitencourt Marcondes suspendeu o retorno das atividades presenciais e pediu que o governo estadual apresentasse um plano de prevenção do contágio do coronavírus.