teste.jpg
  • Eliene

Após mortes por raiva, em Minas Gerais, mil pessoas são vacinadas no estado

A vacinação aconteceu após a cidade de Bertópolis, no Vale do Mucuri, diagnosticar três crianças com a doença


No caso da raiva humana, a doença é transmitida somente por morcegos | Banco de Imagens

Em entrevista concedida a Itatiaia, o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, informou que cerca de mil pessoas foram imunizadas com a primeira dose da vacina antirrábica na região onde casos de raiva foram confirmados, em Minas Gerais. A vacinação aconteceu após a cidade de Bertópolis, no Vale do Mucuri, diagnosticar três crianças com a doença, sendo que duas, de 12 e 5 anos, morreram.

“Para acalmar todo mundo, a doença foi diagnosticada em crianças que brincavam com morcego, o que não é algo culturalmente comum no estado. É algo muito muito localizado. O morcego mordeu o lábio de uma e o braço da outra, mas nós já vacinamos com a primeira dose antirrábica, que é profilática”, explicou Fábio.

Segundo o secretário, o imunizante é diferente dos demais e só pode ser usado em quem já teve contato com o animal contaminado. “A gente não pode vacinar todo mundo. Para raiva, é só quem teve contato com o mordedor. Nós vacinamos quase mil pessoas lá com a primeira dose”, concluiu.

Na última terça-feira, 26, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) confirmou o terceiro caso de raiva humana em Minas. Trata-se de um garoto de cinco anos que morreu no dia 17 de abril. A pasta informou que, apesar da criança estar sem sinais de mordida do morcego, a investigação foi realizada por conta da proximidade geográfica em relação aos dois primeiros casos confirmados da doença na zona rural de Bertópolis. Amostras foram coletadas e enviadas para exames laboratoriais durante o período.

O primeiro caso é de um adolescente, de 12 anos, que morreu no dia 4 do mês passado. A segunda confirmação, feita no dia 19, se deu também em uma paciente de 12 anos, após notificação no dia 5. A jovem está internada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde permanece internada e fazendo tratamento para a doença. Ambos os casos se relacionam à mordida pelo mesmo morcego.

A Secretaria investiga um quarto caso da doença na área rural de Bertópolis, após notificação no dia 21 de abril. A menina, de 11 anos, apresentou sintomas como febre e cefaléia e segue em leito clínico, estável e em observação. Ela é parente do segundo caso confirmado da doença.