top of page

Dengue: confira o cronograma do carro fumacê em bairros de Mariana

Até o dia 27 de abril, de acordo com a prefeitura, o município havia registrado mais de 1.450 casos de dengue


Imagem ilustrativa

Com o objetivo de combater o elevado número de casos de dengue em Mariana, a prefeitura estabeleceu um cronograma para aplicação de inseticidas com o carro fumacê no centro da cidade e nos bairros com maior casos da doença, sendo Santo Antônio, Santa Rita de Cassia, Rosario, Cabanas, Barro Preto, Santa Clara, São Gonçalo, Morada do Sol, Colina e Cartucha.



** continua depois da publicidade **



A ação teve início hoje, 2 de maio, e será realizada até o dia 14 do mesmo mês, conforme programação abaixo:

BAIRROS

DIAS

HORÁRIOS

Santo Antônio

04, 06, 08,10,12 e 14 de maio

05 às 10h

Santa Rita de Cassia

03, 05, 07, 09,11 e 13 de maio

05 às 10h

Rosário

02, 04, 06, 08, 10 e 12 de maio

17h às 22h

Cabanas

03, 05, 07, 09, 11 e 13 de maio

17h às 22h

Centro

04, 06, 08, 10, 12 e 14 de maio

05 às 10h

Barro Preto

04, 06, 08, 10, 12 e 14 de maio

05 às 10h

Colina

03, 05, 07, 09, 11 e 13 de maio

17h às 22h

Cartucha

03, 05, 07, 09, 11 e 13 de maio

17h às 22h

Santa Clara

03, 05,07,09,11 e 13/05

05 às 10h

São Gongalo

02, 04, 06, 08, 10 e 12 de maio

17h às 22h

Morada do Sol

02, 04, 06, 08,10 e 12 de maio

17h às 22h

A prefeitura orienta os moradores a abrir as portas e janelas de suas casas quando o carro estiver passando na rua. Além disso, é importante retirar alimentos e animais das proximidades e lavar os vasilhames deles após aplicação do produto.


** continua depois da publicidade **



Situação de emergência


No dia 10 de abril, a prefeitura de Mariana publicou o decreto Nº 11.347, que declara, por 120 dias, situação de emergência em saúde pública em razão do surto de casos de dengue na cidade. A medida foi tomada devido a necessidade de implementar ações urgentes para combater a dengue e outras doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti. Além disso, leva em conta a quantidade de casas fechadas e de moradores que recusam a visita dos agentes de endemias, totalizando, aproximadamente, 60%.






Comments


bottom of page