• Eliene

Vem aí a 2ª Edição do Festival de Popularização do Teatro de Ouro Preto

O evento começa nesta sexta-feira, 27, e segue até domingo, 29, de forma gratuita


A programação conta com um cortejo Zé Pereira do Club dos Lacaios | Ane Souz

A partir desta sexta-feira, 27, o Festival de Popularização do Teatro de Ouro Preto está de volta. A programação é gratuita e segue até o dia 29 de maio. Além de poder prestigiar peças aclamadas e apresentações musicais, a população poderá voltar a frequentar ou conhecer a Casa da Ópera de Ouro Preto, também conhecida como o antigo Teatro Municipal.


“Queremos que todos aproveitem as apresentações e se divirtam muito. E trazer essas atrações gratuitas é uma forma de ampliar o acesso de todos a essas experiências e oportunidades. Principalmente, para a população das periferias e todos aqueles que não conhecem ainda a Casa da ópera”, declara Leandro Borba, idealizador do Festival.




** continua depois da publicidade **



Essa é a segunda edição do Festival, que será patrocinada pela J. Mendes, por meio do Ministério do Turismo, e conta com a coordenação do comediante Leandro Borba e do gestor cultural Gilson Fernandes.


"Ouro Preto é uma cidade em que abundam cultura reconhecida pela sua grande importância e relevância para a história do país, por isso, a cidade Patrimônio Mundial Cultural não poderia deixar de ter atrações locais como o Zé Pereira e o Clube dos Lacaios, agremiação carnavalesca mais antiga e em atividade no Brasil, que tem 155 anos de tradição e retorna agora suas apresentações depois de dois anos de pandemia, para desfilar com os tradicionais bonecos e celebrar o grande retorno às ladeiras de Ouro Preto", ressalta Gilson.


Confira a programação completa e prestigie!


27 de maio - sexta-feira

18h30 – Cortejo Barroco Jazz

Os músicos farão a abertura oficial do Festival com muita animação, chamando o público para se divertir, dançar e entrar na Casa da Ópera para assistir às peças.


19h – “Maio, antes que você me esqueça”, de Ilvio Amaral e Maurício Canguçu

A peça conta a história de um pai acometido pelo "Mal de Alzheimer" visitando seu filho paisagista, num final de semana. A relação dos dois vai da comédia ao drama, emocionando e divertindo a plateia.





** continua depois da publicidade **




21h – “Como desencalhar despois dos 30”, de Breno Gagliardi, com Chris Geburah

Para sair da rotina, Chris, a encalhada de 30, resolve se aventurar em um aplicativo de relacionamento. A peça se inicia com um primeiro encontro muito malsucedido e, a partir daí, nossa solteirona discursa sobre as falcatruas desses aplicativos. Nessa divertida comédia ela compartilha com o expectador seus encontros inusitados e dá dicas de como usar o aplicativo para encontrar o "crush” perfeito.


28 de maio - sábado

18h30 – Cortejo Tambor de Sambapreto

Os músicos vão chamar o público para o segundo dia do Festival com suas melodias ritmadas e muita animação.


19h – “Guara-pa-rir”, de Kayete e Guilherme Oliveira

Um mineiro que já visitou Guarapari e não voltou com alguma história hilária para contar, está vivendo errado! A peça brinca com as situações cômicas no litoral capixaba pelos olhos dos personagens Agnaldo e Cleusa, vividos por Kayete e Guilherme Oliveira. O casal planejava curtir um descanso de férias nas areias da Praia do Morro, só que tudo dá errado. Mesmo sem muita grana pra ostentar, Cleusa acha que é muito chique e nem se despenteia pra armar barraco ou empinar o nariz no meio da “farofa” da praia mais mineira do Espírito Santo.


20h30 – “Pocket show Geraldo Pessoa”

O músico faz uma breve apresentação autoral com alguns de seus sucessos, incluindo melodias que circulam entre o samba, choro e bolero.


21h – “Comi uma Galinha e Tô Pagando o Pato”, de Carlos Nunes

O presidiário Zé da Silva narra com muito humor e pitadas de ironia, como foi parar na prisão após roubar a galinha de estimação da filha de um deputado. Na narrativa, por causa do ocorrido, o deputado entra com Projeto de Lei em Brasília para transformar a galinha em animal sagrado no Brasil assim como a vaca é na Índia. O humilde desempregado, que foi criado obedecendo às leis divinas e que aprendeu com a mãe que “a inducação, a honestidade e a personalidade vem do berço”, fica sem entender porque um crime tão simples, cometido apenas para livrar a família da fome, o deixou tanto tempo atrás das grades.


29 de maio - domingo

15h30 – Cortejo Zé Pereira do Club dos Lacaios

Para o último dia, a atração especial é Zé Pereira do Club dos Lacaios, que completa 155 anos. Após dois anos sem subir as ladeiras da cidade histórica, a agremiação comemora a data em clima de festa e a oportunidade de voltar a circular com seus tradicionais bonecos e muita animação.


16h – “Os Três Porquinhos”, da Associação Cultural Casa Laboratório

Na obra, os irmãos Pedrito, Palito e Palhaço são três porquinhos que recebem uma grande herança de sua mãe e agora tem de se mudar da casa dos pais para construírem sua própria casa. Cada um é responsável por suas escolhas e o modelo da casa. A peça mostra um espaço cenográfico totalmente lúdico e mágico, evidenciando o mundo animal contaminado pelos hábitos humanos




** continua depois da publicidade **



18h – “Desculpa Qualquer Coisa”, da Cia de Humor

Os humoristas componentes da Cia de Humor Desculpa Qualquer Coisa são pioneiros da comédia stand up em Minas Gerais e possuem destaque na cena nacional. Na apresentação, eles mostram um pouco do seu repertório para divertir o público.


20h – “Irmã Selma”, de Octávio Mendes (ex-integrante da “Praça é Nossa”)

Para fechar o Festival, temos o show de humor estrelado, escrito e dirigido por Octávio Mendes. O espetáculo reúne os inesquecíveis personagens criados pelo ator, como a Mônica Goldstein - uma apresentadora de um programa sensacionalista; o ex-gay - um cara que “mudou” de vez; a Maria Botânica – atriz e cantora e a personagem que dá nome ao espetáculo, Irmã Selma - uma freira humorista.