teste.jpg

O trabalho dignifica, mas também adoece?

Por André Fernandes da Costa Milanez

Psicólogo graduado pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Especialista em Gestão de Políticas públicas pela Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP



Segundo pesquisas a cobrança por produtividade na pandemia pode levar à síndrome de Burnout | Banco de Imagens

Incessantemente ouvimos a máxima “o trabalho dignifica o homem”. Esta é uma afirmativa do sociólogo e economista alemão,Max Weber (1864-1920). Mas, e todas as demais complexidades que envolvem as vastas relações laborais?


Em nebulosos tempos de pandemia do novo Coronavírus, as drásticas mudanças no cotidiano social levam a inevitáveis mudanças nas formas de trabalho. Assim, temos visto e sentido a consequente incidência dessas alterações do trabalho – e também da falta do trabalho – em nossa psiquê, nossa saúde mental.


Home Office, videoconferência, escala de trabalho, férias coletivas, fechamento do comércio, demissão em massa, tudo isso somado às incertezas do estado da saúde coletiva, à segunda onda de contágio e à lentidão da imunização pela vacina, surgem resultados: estresse, ansiedade, estafa.


Sim, o trabalho dignifica, mas também pode adoecer.


O trabalho é uma atividade que pode ocupar grande parcela do tempo de cada indivíduo e do seu convívio em sociedade. O psiquiatra francês, Christophe Dejours, afirmava que o trabalho nem sempre possibilita realização profissional. Pode, ao contrário, causar problemas desde insatisfação até exaustão.


Este atual contexto me trouxe à memória as origens da SÍNDROME DE BURNOUT.


O termo Burnout foi inicialmente utilizado em 1953, em uma Publicação de estudo de caso de Schwartz e Will, conhecido como "Miss Jones". Neste, é descrita a problemática de uma enfermeira psiquiátrica desiludida com o seu trabalho.


Sobrecarga dos profissionais da saúde? Qualquer semelhança não é mera coincidência.


A síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico causado pela exaustão extrema, sempre relacionada ao trabalho de um indivíduo. Essa condição também é chamada de “síndrome do esgotamento profissional” e afeta quase todas as facetas da vida de um indivíduo. É o resultado direto do acumulo excessivo de estresse, de tensão emocional e de trabalho.


Fundamentada na perspectiva social-psicológica, esta síndrome é constituída de três dimensões:

1) Exaustão emocional: caracterizada por uma falta ou carência de energia, falta de entusiasmo e um sentimento de esgotamento de recursos;

2) Despersonalização: que se caracteriza por tratar os clientes, colegas e a organização como objetos;

3) diminuição da realização pessoal no trabalho: tendência do trabalhador a se auto-avaliar de forma negativa – as pessoas sentem-se infelizes consigo próprias e insatisfeitas com seu desenvolvimento profissional.


É preciso atenção ao desenvolvimento de sintomas físicos e/ou psicológicos, tais como:


  • Cansaço mental e físico excessivos;

  • Insônia;

  • Dificuldade de concentração;

  • Falhasde memória;

  • Perda de apetite;

  • Irritabilidade e agressividade;

  • Pessimismo e Baixa autoestima;

  • Desânimo e apatia;

  • Dores de cabeça e no corpo;

  • Negatividade constante;

  • Sentimentos de derrota,de fracasso e de insegurança;

  • Pressão alta;

  • Tristeza excessiva.

Há tratamento para a síndrome de Burnout?


Com certeza! No geral, o recomendável para o tratamento da síndrome de Burnout requer psicoterapia e acompanhamento médico, de forma constante. O tratamento psicológico é essencialmente importante. O terapeuta ajudará o individuo na construção de estratégias para combater o estresse. Além disso, as sessões, por si só, proporcionam à pessoa um tempo de reflexão e distanciamento dos dispositivos estressores do trabalho, além de promover o autoconhecimento que possibilitará novas elaborações e reorganização das questões relativas ao trabalho.


Não obstante, cuidar da saúde mental é uma tarefa diária. É preciso sempre manter em mente a qualidade do viver. Afinal, ainda que árduo, o trabalho identifica, dignifica e deve ser fonte de realização, bem estar. Uma das facetas da felicidade é a harmonia.


Criado a partir do desejo de colocar em prática um fazer jornalístico verdadeiro, o Ângulo é um portal de notícias focado na região de Mariana, Ouro Preto e Itabirito. A história do veículo de comunicação se mescla com os anseios e missões de sua fundadora, que busca trazer novos ares para a mídia na cidade.

Aqui a missão é ser referência em notícia e se mostrar como um portal moderno, com visões amplas dos mais diversos lados das histórias e sujeitos.

  • Branca Ícone Instagram

© 2020 por Mariana Viana